terça-feira, 16 de abril de 2013

Mudando Hábitos

Existe no ser humano dois tipos de aprendizagem que correspondem ao que se agrega nas interações com o ecossistema ao seu redor, conhecimento nato, e o que já vem no ser como herança do desenvolvimento biológico, ou conhecimento inato.

Aprender significa incorporar padrões que modificam os já estabelecidos. Gera mudança de comportamento como critério avaliativo de resultado. Ou seja, aprender gera mudança comportamental.

Biologicamente, as informações circulam no cérebro através dos neurônios, responsáveis pelos impulsos eletroquímicos que vão gerar os pensamentos, sensações, processos, etc.

Quando se estabelece um padrão comportamental, uma sequência de neurônios e acionada e fica propensa, magneticamente, a repetir o padrão original. Este caminho eletroquímico, uma vez utilizado, torna-se tendente a repetir-se até que se torne uma via segura e ágil para responder aos estímulos que provocaram tal programação. Deu-se um aprendizado ou condicionamento, cuja função é tornar o ser ágil para responder adaptativamente os variáveis e inconstantes desafios da manutenção e perpetuação de sua existência.

Mesmo que não se precise de tal resposta, ainda assim permanece o padrão criado e o ser pode passar a responder de forma defensiva a impulsos puramente interpretativos de sua mente (não reais), como uma possibilidade de ameaça, necessariamente, não existente. Gera-se então a ansiedade.

Ao repetir-se os padrões que despertam as reações de defesa antecipadas, para preparar o indivíduo para reagir, sem a ocorrência do fato esperado, reforça-se cada vez mais as conexões neurológicas, ou caminhos eletroquímicos geradores de tais comportamentos.

A resposta para tal incoerência natural é a mudança dos padrões através de estímulos para outros ramos de conectivos do cérebro. É a reprogramação através da busca por um padrão diferente, que desviará a tendência ao comportamento estereotipado para outra direção, até que com a continuidade se dê um novo aprendizado.

Quando os padrões se modificam, as conexões originais se enfraquecem por menos uso e as novas se fortalecem, tornando-se vias principais para novas respostas para velhos estímulos.

Em resumo, mudar algo que se aprendeu requer acrescentar novo direcionamento ao que já se tem assimilado, é dar novo sentido ao que se já sabe e não apagar tudo que se adquiriu.

Todo aprendizado se apresenta como mudança de comportamento aproveitando todos os demais aprendizados anteriormente adquiridos.

Na natureza nada se perde e nada se cria. Tudo se transforma.


Lembre-se, dentro de você existe infinitos aprendizados adquiridos ao longo de sua vida. Transformá-lo é o trabalho e, todo potencial para a mudança encontra-se latente dentro de cada um. É preciso primeiro saber que rumo tomar para em seguida traçar o caminho e caminhar em sentido contrário ao indesejável, porém voltado para o ponto que nos fará mais felizes, reprogramando-se para melhores hábitos que precisam ser repetidos, mais e mais, a cada dia.

Ricardo Ramos

Nenhum comentário:

Postar um comentário